• Felipe Mello

O USO DE CRIPTOMOEDAS PARA A INTEGRALIZAÇÃO DO CAPITAL SOCIAL

É do conhecimento de muitos que o capital das sociedades, especialmente das sociedades limitadas e das sociedades por ações, pode ser integralizado mediante contribuições em dinheiro ou em qualquer outra espécie de bens suscetíveis de avaliação em dinheiro. É assim que estabelece o Código Civil e a Lei nº. 6.404/76 – Lei das S/A.



Apesar de ser muito mais usual a integralização mediante a entrega de dinheiro à sociedade, no dia a dia empresarial é comum que os sócios ou acionistas de uma determinada sociedade decidam integralizar, por inúmeras razões, o capital social não com dinheiro, mas sim mediante a conferência de bens imóveis, veículos, maquinários, direitos ao uso de marca, licenças para exploração de patente de invenção, entre outros.


Quando os sócios ou acionistas decidem realizar a integralização do capital mediante a conferência de bens móveis ou imóveis, corpóreos ou incorpóreos, devem sempre considerar, nas lições do Prof. Sérgio Campinho que “(...) o bem tem que se revelar de interesse da sociedade. Deve guardar relação direta ou indireta com o seu objeto, não se admitindo a integralização em bens que não tenham qualquer utilidade direta ou reflexa para a atividade por ela desenvolvida.”[1]

Se não há dúvida quanto à legalidade da integralização do capital social com bens, mas e quanto às criptomoedas? Pode o capital de uma sociedade ser integralizado com a utilização de criptomoedas?


Este foi o questionamento formulado pela Junta Comercial do Estado de São Paulo – JUCESP ao Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração - DREI, em Brasília, órgão vinculado ao Ministério da Economia, e que tem entre as suas atribuições estabelecer as normas relacionadas ao registro de comércio e solucionar dúvidas decorrentes de interpretação de leis.


Desta forma, foi editado o Ofício Circular SEI nº. 4081/2020, de 1º de dezembro de 2020, que, em linhas gerais, reconheceu que não existe vedação legal que proíba a integralização do capital social com criptomoedas devendo, contudo, as juntas comerciais para fins de registro dos documentos societários que, porventura, envolverem o uso de criptomoedas, respeitar as mesmas regras aplicáveis à integralização de capital social com bens móveis.


O Ofício Circular baseou-se, para chegar a tal conclusão, em artigos do Código Civil e da Lei das S/A, como mencionado no primeiro parágrafo deste texto, assim como, em manifestações do Banco Central do Brasil e da Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Neste sentido, a CVM afirma inclusive que “(...) tais ativos virtuais, a depender do contexto econômico de sua emissão e dos direitos conferidos aos investidores, podem representar valores mobiliários, nos termos do art. 2º da Lei nº. 6.385/76.”[2]


Além do Banco Central e da CVM, a Secretaria da Receita Federal do Brasil considera as criptomoedas como ativo financeiro e exige que os contribuintes as indiquem, em campo específico, na declaração anual do imposto de renda, pelo valor de aquisição. A RFB entende que as criptomoedas são bens incorpóreos que possuem avaliação pecuniária, são negociáveis e podem ser utilizadas de diversas formas.


As criptomoedas são consideradas uma das espécies de criptoativos utilizados para pagamentos e demais transações financeiras realizadas, exclusivamente, de forma virtual. Por sua vez, os criptoativos podem ser conceituados, nos termos da Instrução Normativo RFB nº. 1.888/19 como

a representação digital de valor denominada em sua própria unidade de conta, cujo preço pode ser expresso em moeda soberana local ou estrangeira, transacionado eletronicamente com a utilização de criptografia e de tecnologias de registros distribuídos, que pode ser utilizado como forma de investimento, instrumento de transferência de valores ou acesso a serviços, e que não constitui moeda de curso legal.”[3]

Com o tema relacionado aos criptoativos cada vez mais em voga e a sua cada vez maior utilização e aceitação pelo mercado, não deixa de vir em boa hora o esclarecimento do DREI no sentido de se permitir a integralização do capital social por meio da utilização de criptomoedas.


[1] Campinho, Sérgio. Curso de direito comercial: sociedade anônima. 4ª ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2019. p. 74. [2] Ver notas em http://www.cvm.gov.br/noticias/arquivos/2017/20171011-1.html e em http://www.cvm.gov.br/noticias/arquivos/2018/20180307-1.html. [3] Ver em http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.action?visao=anotado&idAto=100592


#criptomoedas #intregralizaçãocapital #criptoativos #capitalsocial #leidassa #direitoempresarial #direitocomercial


Felipe de Almeida Mello é advogado e sócio de BBM Advogados. Consultor jurídico da TheStartupToolbox. Mestre em Direito e especialista em Direito Empresarial. Professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), da Escola Superior da Advocacia (ESA/OAB), da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.


Este conteúdo tem caráter informativo, em caso de questionamento jurídico, entre em contato conosco.


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo